sexta-feira, 29 de agosto de 2008

É a vida...

"Ele vendia frutas na feira.
Ela era uma menina material, que só queria saber de "se divertir".

Ninguém sabe por quê, mas ele era completamente apaixonado por ela, desde o ginásio.
Talvez por que ela era uma menina muitíssimo linda, mas todos sabiam que ele era simples, e não dava muito valor à coisas exteriores como essa...
Mas o fato é que ele (mesmo que não mostrasse) sempre quis fazê-la feliz, e fazia de tudo pra isso, apesar de ela não dar a mínima pra ele.

Eram vizinhos, e moravam num bairro muitíssimo pobre.
"Quero sair daqui o mais rápido possível", sempre dizia ela. Porém, para sair dali ela não fazia nada. Apenas seduzia os garotos e se divertia como se não fosse de uma família humilde.
Ia pro centro e fingia ser uma garota de classe, ganhava o que queria, com seu charme, mas quando voltava pra casa, lembrava da realidade triste de sua vizinhança...

Ele, porém, sempre foi trabalhador e estudioso. Rapidamente assumiu a banca de feira da família, e, quando saiu da escola, fazia turno duplo para tentar ganhar mais nos negócios.

Então, veio o inesperado (e previsível ao mesmo tempo):
Ele se cansou de vê-la chorando por falsos amores e por essa vida fútil, e decidiu finalmente dar um passo maior do que "apenas apoiá-la" e ser usado por ela.

Pediu a mão da garota em casamento.

A família dela adorou, pois, naquela realidade, ele era "rico" perto da família dela. Ela, chocada, aceitou meio contrariada, na esperança de ter uma vida melhor.
A verdade é que (como se esperava) não deu certo.
Ela dizia "não ser presa à ninguém" , e essas frases bobas que as pessoas inventam hoje em dia para não ter limites. Mas ele continuava mantendo-a e amando-a, como ninguém.

Até que, um dia, ao voltar mais cedo das compras para a feira, ele viu o que todo o mundo dizia pelas costas, mas ele relutava em acreditar: Ela estava na cama com outro.

Um playboyzinho do centro, com carro bonito e tudo o mais.

Ele não falou nada, nem brigou com o garoto, apenas o fez sair e não falou nada com ela. Ele a amava demais até mesmo para isso, e achava que ela mudaria. Mas ela não mudou, e apesar dos avisos da família dele para largá-la, ele continuou colocando comida em casa e fazendo as vontades dela, enquanto ela nem queria saber de trabalhar.

Até que um dia fatídico chegou, e ela roubou (exatamente, roubou) as economias dele, comprou uma passagem e saiu da cidade. Ao voltar para casa, ele chorou, e só chorou.

Mas, três meses depois, ela voltou, dizendo estar grávida dele. Ele ficou feliz, e a apoiou por todo o parto. Porém, quando o filho nasceu, ela sumiu no mundo de novo, deixando-o sozinho para criar seu filho.

Mesmo sem saber se o filho era dele, ele continou trabalhando duro para dar tudo o que podia pelo filho, e nunca (nunca mesmo) disse uma palavra má sobre sua mãe, apenas dizia ao menino que "a mãe dele tinha coisas a fazer e teve que ir"...

Não sei se ela foi feliz nem que final teve...
Só sei que ele criou um filho do qual teve muito orgulho e muitas alegrias
Filho que o fez saber o significado da vida."

by me

9 comentários:

Mary West disse...

Filhos são o recomeço, acho que ajudam pq a gente começa a vê que não somos tudo no mundo.

vi everlong disse...

Faz bem parte da realidade essa história .. adoreii .. Sob a confusão ele "achou" uma razão pra ser Feliz (:

Lena disse...

pq nos seus contos a mulher é sempre a do mal? ¬¬

Tammy disse...

meeu nem oke comentaar . .
c jáá sabee, eu jaah disse
eu A M O leer seeus postss ..
vc eh mtoo shoow ..
escreveê mtto beem sz
ee eu te doro .amigo .!
Beijãão:*

Mayara disse...

Aaaah adorei o post!!
1ª visita de muitaas por aqui! :D

adoro vc! bjo

mayrlla kathyuska disse...

carambaaa Tiii, cada vez mais surpreendendo com os post's.
mas isso acontece na realidade, e logo que tem o amor, e como dizem "o amor é cego!, mas muitas vezes cego mesmo são aqueles que não querem enxergar, mas no fim ele encontrou uma forma, um motivo para ser feliz, o seu filho!

lindoo, ameeei!



te adoroo Tii! ♥

Camilla disse...

Nossa, foi você mesmo que escreveu?

Parabéns, adorei!!

Beijos

Talita disse...

Ela é má demais,ele é bom demais.Acho que...não combinam.

Beijo ;*

Bruna disse...

uaaaaau japa
ja pensou em ser escritor?
amei...
mto bom o conto
e lindo...de um jeitinho diferente...lindo!